domingo, 26 de junho de 2011

Os nomes das ferrovias.

Os nomes das ferrovias do Brasil.



Afinal, porque as ferrovias brasileiras tiveram os nomes que ostentaram por tantos anos? Em alguns casos, está muito claro, como, por exemplo, Estrada de Ferro Porto Alegre a Uruguaiana. Ponto. Era o local de início e o local de término, Pelo menos, o que foi projetado para ser. Nesse caso, acabou ocorrendo. Demorou 36 anos para essa ferrovia ir da origem ao seu destino inicialmente programado, mas saiu.

Já a
E. F. Perus-Pirapora não teve essa sorte. Parou na metade do caminho, perto da fazenda Polvilho, no atual município de Cajamar. Depois se fez um desvio industrial até a Água Fria (hoje o centro de Cajamar), mas ainda longe do seu objetivo, o então bairro parnaibano de Pirapora (hoje município de Pirapora do Bom Jesus).

A
E. F. Dom Pedro II teve seu nome dado literalmente para ganhar as bênçãos do Imperador, em 1858. Sete anos depois, faliu e o Imperador ficou com ela. Parece que puxar o saco não deu em muita coisa.

A
São Paulo Railway teve o nome óbvio: era na época a única ferrovia do estado. Quando os ingleses a entregaram ao governo, ao fim de 90 anos de concessão (acho que foi a única ferrovia do Brasil que cumpriu integralmente o seu tempo de concessão), o nome passou a ser o óbvio: E. F. Santos a Jundiaí.

A Companhia Paulista de Estradas de Ferro não era a única, mas sim a segunda companhia ferroviária a ser fundada no estado, em 1868, mas o nome seguiu algo como a da São Paulo Railway: uma ferrovia paulista.

Já a Mogiana levou o nome por desejar alcançar o rio Mogi-Guaçu e ultrapassá-lo, para explorar os cafezais da região de Ribeirão Preto e regiões mineiras. A Sorocabana, por sua vez, era a ferrovia fundada em Sorocaba. Portanto, Sorocabana.

A Leopoldina recebeu o nome não por causa da Imperatriz Leopoldina, mas sim por causa da cidade que pretendia atingir quando começou a ser construída a sua primeira linha saindo de Porto Novo do Cunha, na divisa de Minas com o Rio: exatamente a cidade de Leopoldina, esta sim com o nome homenageando a primeira Imperatriz (embora haja quem diga que na verdade o nome seria para homenagear a irmã de Dom Pedro II). A cidade, no entanto, até não muito tempo antes, chamava-se Feijão Cru. Pelo visto, por pouco a ferrovia não se chamou E. F. do Feijão Cru...

A E. F. São Paulo-Rio Grande começava, realmente, em São Paulo, na cidade de Itararé, na divisa com o Paraná, e terminava no Rio Grande do Sul, na divisa com Santa Catarina, na cidade de Marcelino Ramos. Porém, dos seus 887 quilômetros, pelo menos 880 estavam no Paraná e em Santa Catarina. Talvez por isso o nome acabou mais tarde se tornando Rede de Viação Paraná-Santa Catarina (embora esta rede englobasse outras ferrovias desses dois estados também).

A Companhia Ferroviária do (vale do rio) Dourado tinha esse nome pois no seu início andava por esse vale. Ela se expandiu e o nome ficou. Se fosse referente à cidade de Dourado, seria "de" Dourado. Mas era "do", pois era do vale do rio - que não aparecia no nome.

No resto do Brasil não se acham tantas mais com nomes marcantes e que têm referência ao lugar, a não ser se utilizando do origem-destino. Há ferrovias que ganharam nomes de pessoas homenageadas, mas que nem sempre tinham a ver com aquela ferrovia em especial. A tradicional mania de se puxar saco de pessoas vivas ou de famílias saudosas.

Às vezes as ferrovias levavam o nome somente do seu destino... ou de sua origem. Ou do local (Oeste de Minas, Central da Bahia, embora esta ficasse bem longe do centro baiano, Noroeste do Brasil). Ou E. F. de Santo Amaro, local de origem dessa ferrovia baiana.

O importante, que nem sempre se consegue quando se nomeia qualquer coisa, é se estabelecer um nome marcante que tenha relação com o que se quer nomear. E alguns desses nomes se tornam marcantes, como Paulista, Mogiana, Sorocabana, Araraquarense (embora a ferrovia fosse E. F. Araraquara) e Leopoldina, que até hoje nomeiam extensas áreas dentro de seus estados, anos depois de seus nomes terem desaparecido como nomes de ferrovias.

POR RALPH MENNUCCI GIESBRECHT

8 comentários:

  1. Bela matéria ... acho importante que as obras e logradouros púlicos devem ser atizadaos com nomes que representem a história ou a cultura de sua região, pois servirá de referencial para os mais jovens.

    @drluizaugusto_

    ResponderExcluir
  2. Sr. Clodoaldo: Excelente matéria. Sinto que muito além de se um Maquinista Profissional, o Senhor é um dos poucos apaixonados pelo que faz ou fez, portanto um herói anonimo (para mim até agora), que foi responsável pelo transporte de tantas vidas ou valores/cargas para o engrandecimento deste nosso Brasil. Quiça, as novas gerações cultivem esses valores, tão escassos...Parabéns
    Professora Mariolan Matos - Jandaíra-BA

    ResponderExcluir
  3. A Oeste de Minas foi fundada no Sul de Minas, e sua sede era São João del-Rei (depois Rio de Janeiro). Seu marco Zero era no Leste de Minas (termo de Barbacena), sua sede no Sul e sua direção o Oeste de Minas (Pitangui, Itapecerica, Paraopeba, Pinhuí). E depois, a linha em bitola métrica, que era de Barra Mansa, RJ a Catalão, GO.
    O Oeste inicialmente era Oeste do Império (até a Bolívia), mas ficou só de Minas mesmo...

    ResponderExcluir
  4. Fiz uma chamada em meu blog pessoal (Blog do Dodô):
    http://palacios49.woordpress.com

    saudações,
    marcos palacios

    ResponderExcluir
  5. Welber muito interessante sua informação, eu não sabia destes detalhes, muito obrigado compa!

    ResponderExcluir
  6. Helcio Luiz Defino7 de junho de 2012 10:25

    Meu querido e saudoso avô materno, Manoel Corrêa, fez carreira dentro da Companhia Mogiana. Entrou na ferrovia como "jacó de Turma", e para quem não sabe, era o pessoal que pegava pesado nas manutenções dos trilhos. Aposentou como Maquinista na categoria Primeira especial, após 42 anos de serviços prestados, sendo juntamente com outros colegas o primeiro a realizar a viagem de Campinas a ribeirão Preto conduzindo uma locomotiva Diesel Elétrica, após um treinamento em Mairinque na Sorocabana. Nascemos na vila Tibério perto da Antiga estação e com muito orgulho sempre ia espera-lo na plataforma quando chegava de viagem. Ele sempre colocava na minha cabeça ou na do meu irmão o Quepe com as divisas de Maquinista. Criou as filhas e deu exmplo a todos nós...Saudades...

    ResponderExcluir
  7. HELCIO É JUSTAMENTE PARA ISSO O INTUITO DESDE BLOG, LER A POSTAGENS E CONTAR AS BELAS PASSAGENS COMO A SUA.

    ResponderExcluir
  8. devia te condo elas foram inauguradas

    ResponderExcluir