domingo, 28 de maio de 2017

A “inglesinha” da RVPSC.


Bom dia!

Publiquei está foto em um grupo do Facebook chamado "ANTIGAMENTE EM CURITIBA", "Alguém do grupo já andou em um trem conduzido por uma locomotiva igual a está, elas faziam o trecho de Curitiba até Banhados nas décadas de 50, 60"!



E o legal dos comentários saudosistas é a lembrança quase unânime do tal bolinho na graxa, e a coisa mais incrível que quando viajei neste trecho entre os anos de 1999 e 2001 como auxiliar de maquinista, é que quando passava de trem em frente da estação de Banhados sempre sentia um cheiro de bolinho frito, principalmente a noite e em tardes frias com garoa e neblina.

Maquinista Clodoaldo

Segue alguns comentários da pagina  "ANTIGAMENTE EM CURITIBA":

Jair Urban Eu já e bastante quando criança. Enquanto faziam a troca de locomotiva em Banhado, era o tempo suficiente para saborear o bolinho de Banhado.

Amauri Follador Tive a satisfação de fazer o seguinte trajeto: até banhados com locomotiva elétrica e de banhados até Paranaguá com locomotiva a vapor.

Regina Da Silva Beato Sim e saborear os deliciosos bolinhos de graxa como dizia minha avó.

Marta Franco Eu já muitas vezes quando criança,meu pai já falecido era ferroviário e viajamos nas férias saudades.

Rose Santos Na melhor companhia do mundo minha avó , meus irmãos e meu primo.

Sônia Ernestina Costa Muitas viagens quando criança e tb na juventude ,trajeto até Alexandra . Adorava a parada da estação Banhados , para comer bolinhos da graxa . Ficou na lembrança, e muitas saudades .

Georgs Rozenfelds Muitas, indo para o Marumbi! Em Banhados, café preto com bolinho de graxa...

Miguel Suchewschy Miguel eu ja e aquele bolinho era uma delicia.

João Carlos Amodio Muitas vezes! Também andei até as novas Oficinas.ida e volta!

Leoni Tedesco E aquele bolinho era muito bom.


Locomotiva elétrica de 900 HP fornecida pela Metropolitan-Vickers para a Rede de Viação Paraná-Santa Catarina. Esta locomotiva, número 2000, chegou a ser emprestada por um ano para a E.F. Sorocabana, certamente devido à ociosidade da frota de máquinas elétricas da R.V.P.S.C.: afinal, apenas 36 dos 113 quilômetros entre Curitiba e Paranaguá tiveram eletrificação operando comercialmente. Esta foto, originalmente publicada em catálogos da Metropolitan Vickers. 
Fabricada na Inglaterra ainda no início dos anos 1950, a “Metrovick” teve vida curta nos trilhos paranaenses. Registros mostram que a locomotiva rodou entre 1953 e 1961 no estado. O trajeto percorrido pela “inglesinha” começava em Curitiba e seguia, no sentido Paranaguá, até a estação “Banhado” – anterior à “Véu de Noiva” –, na Serra do Mar.
Uma rede elétrica independente a movia nesta época, permitindo o transporte de cargas e passageiros pela ferrovia eletrificada. “Mas esse sistema foi desativado ainda na década de 1960 e a locomotiva deixou de ser usada.

Fontes: http://www.tsfr.org
http://www.gazetadopovo.com.br
http://www.gracesguide.co.uk
http://abpf-pr.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário