segunda-feira, 25 de maio de 2015

O Trem da Lapa nos trilhos dos Tropeiros.


No Brasil, as estradas de ferro aproveitaram os caminhos dos tropeiros. Não havia razões para buscar novos traçados se a intuição dos primeiros já estabelecera as comunicações entre os povoados experimentando sempre a via mais cômoda e segura. No Paraná não foi diferente. A começar pela linha tronco, de Paranaguá a Curitiba, subindo a Serra do Mar pelo caminho do Itupava. Antes mesmo de concluído esse primeiro trecho paranaense a ferrovia já estava projetada para prosseguir pelo interior da província. A estação de Curitiba seria uma estação de passagem... A ideia geral do traçado, inaugurado em 19 de novembro de 1891, consistia em penetrar nos dois maiores polos produtores de erva-mate – Lapa e Rio Negro – e, ao mesmo tempo, em Porto União para chegar aos vapores fluviais da companhia de navegação do Coronel Amazonas Menezes. Na época, a erva mate era o principal produto de exportação da Província. Para se ter uma ideia de sua importância, basta lembrar que a madeira representava apenas algo em torno de 10% do transporte de erva-mate.

A histórica Lapa, a 64 km de Curitiba, nasceu por volta de 1731, às margens da Estrada do Mato, que era um trecho histórico do caminho de Sorocaba (SP) a Viamão (RS). Sua primeira denominação foi Capão Raso. 

Ainda hoje, a cidade preserva sua história,  que tem como um dos marcos a ferrovia. E com origem ligada ao tropeirismo, a Lapa é uma das cidades mais antigas do Estado do Paraná.


Representação do grande combate da estação no cerco da Lapa

A primeira estação ferroviária foi inaugurada em 18 de novembro de 1891, em meio ao palco das sangrentas lutas do Cerco da Lapa, do confronto entre maragatos e as forças republicanas.
Ao tempo da revolução Federalista, a posição da Lapa, como ponta dos trilhos, que ainda não chegavam a Rio Negro mas já alcançavam Palmeira e Curitiba, foi um fator decisivo na movimentação estratégica das tropas revolucionárias e legalistas.

Carregamento de madeiras na estação da Lapa.

A Lapa ganhou sua primeira estação ferroviária em 18 de novembro de 1891, uma edificação de madeira. Depois veio a Estação Engenheiro Bley, em 18 de fevereiro de 1914. Na década de 50 ocorreu uma série de modernizações com a instalação no final de 1949 da Rio da Várzea, em 1950 a da Lavrinha e, em 1952, a construção da nova Estação de Lapa, então em alvenaria.

Chegada de um trem de passageiros, na estação da Lapa ainda de madeiras.

Atual estação da Lapa em alvenaria.

...A memória é necessária para solidificar nossa cultura...


Bons tempos eram os de viagem de trem!

O precursor do movimento pró turismo férreo foi um projeto lançado em 1984, em Brasília, durante Congresso Nacional da Abav (Associação Brasileira de Agência de Viagem). O projeto previa, entre outros trajetos, uma viagem de Maria-Fumaça de Curitiba a Lapa, com duas e três saída por mês. O passeio turístico que começou a ser operado em fevereiro de 1986, foi considerado o melhor receptivo no sul do Brasil, tendo levado a histórica cidade mais de dois mil turistas.


Fotos da 1ª tentativa:



Primeira conversa de Márcio Assad com o então Presidente da RFFSA Osiris Stenguel Guimarães.



Viagem de teste com a  Locomotiva 157.

Partida de Curitiba autoridades no vagão de luxo (1986).


Trem partindo da antiga estação ferroviária de Curitiba.

Trem na estação da Lapa no dia da inauguração.

Estação da Lapa em dia de chegada da Maria Fumaça, era uma festa.

A segunda tentativa, também de sucesso, ocorreu em 1999, quando depois de oito anos sem percorrer os trilhos ferroviários do Paraná, Maria Fumaça, construída em 1941, voltava à ativa. O trajeto entre Curitiba e Lapa, elaborado pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária - Regional Paraná -marcava as comemorações no dia 13 de junho do aniversário da Lapa.

Foto da 2ª tentativa:

Passeio em 1999 em parceria com ABPF SC.

E se na primeira e na segunda vez não deu certo?


Vamos tentar a terceira,... agora, "O Trem da Lapa nos trilhos dos Tropeiros."

Porque nós Paranaenses não desistimos nunca.


Fontes:

http://www.parana-online.com.br/
http://biotavares.blogspot.com.br/
http://www.patrimoniocultural.pr.gov.br/


2 comentários:

  1. meu avo materno foi soldado no cerco da lapa ainda jovem entre 22 a 26 anos de idade antes do final do combate foi dispensado por ser um cidadao estrangeiro e de dificil comunicaçao com o pelotao brasileiros ..foi de grande valia as informaçoes e fotos gostaria de receber mais fotos antigas da lapa e a estaçao antiga e moinhos e regiao do confronto de 1894 caso alguem possa a ajudar com imagens ou relato eu desde ja em nome da memoria de meu avo agradeço humildemente abraço a todos

    ResponderExcluir
  2. meu avo materno foi soldado no cerco da lapa ainda jovem entre 22 a 26 anos de idade antes do final do combate foi dispensado por ser um cidadao estrangeiro e de dificil comunicaçao com o pelotao brasileiros ..foi de grande valia as informaçoes e fotos gostaria de receber mais fotos antigas da lapa e a estaçao antiga e moinhos e regiao do confronto de 1894 caso alguem possa a ajudar com imagens ou relato eu desde ja em nome da memoria de meu avo agradeço humildemente abraço a todos

    ResponderExcluir